Enfermagem e a família do paciente com cuidados paliativos






O enfermeiro, em muitos casos, tem o papel de oferecer os primeiros cuidados em pacientes acidentados ou em momentos de crise, fazendo curativos, ministrando medicamentos ou coletando amostras para serem examinadas.

Além disso, o profissional de Enfermagem também pode auxiliar médicos durante cirurgias, exames, tratamentos ou recuperações pós-cirúrgicas.

Em meio a tantas possibilidades de atuação, destacamos hoje o papel que o enfermeiro pode desempenhar na área de cuidados paliativos, e todas as especializações que podem ajudar o aluno de Enfermagem a futuramente atuar nesse segmento.

Através dos cuidados paliativos, os profissionais de saúde têm uma relação mais próxima com o paciente, daí surge a necessidade e a importância do papel desempenhado pelo profissional da Enfermagem.

Todo o esforço da equipe multidisciplinar é realizado para oferecer conforto e autonomia. Os cuidados paliativos modernos são divididos em três graus de complexidade. Os cuidados paliativos gerais são empregados a partir do diagnóstico em progressão; e buscam atender toda variedade de sintomas que se manifestam. Já os cuidados paliativos específicos aparecem nas últimas semanas ou últimos seis meses de vida, a partir do momento em que é verificado o estado progressivo de declínio.

Já os cuidados paliativos ao fim de vida compreendem o terceiro grau e são lançados, em geral, nas últimas 72 horas de vida. Quando uma doença como câncer é diagnosticada em estágio avançado e não há mais chance de tratamento curativo, entra em cena o cuidado da unidade de paliativo terminal. As técnicas auxiliam no manejo dos sintomas, além, é claro, dos aspectos psicossociais associados à doença.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), ao definir o que são os cuidados paliativos, buscou incluir a família como parte do processo de cuidar, ao afirmar que tais cuidados devem seguir uma abordagem e prática interdisciplinar na qual se propõe a melhorar a qualidade de vida dos pacientes e familiares na condição de terminalidade de uma pessoa, em busca de aliviar o sofrimento e a dor diante de problemas físicos, psicossociais, culturais e espirituais, a fim de proporcionar uma morte digna, livre de aflição e agonia. E, entre os seus princípios filosóficos, reafirma que a equipe deve oferecer um sistema de apoio para ajudar a família a lidar com o processo de adoecimento do paciente, assim como com o seu próprio luto.

Diante dessa definição, é possível inferir que a família deve participar do processo de tomada de decisões, fortalecendo o apoio, a confiança e o reconhecimento da sua relevância na vida do seu ente querido. E a equipe de cuidados paliativos deve atentar para as necessidades de cuidados para com a família, assistindo-a da melhor maneira possível como parte da unidade de cuidados - paciente e família.

O cuidado aos familiares é parte integrante dos cuidados ativos e integrais à pessoa com uma doença limitadora da vida. E, como membro da equipe de cuidados paliativos, o enfermeiro deve buscar interagir com a família, de modo que seja possível observar como esta tem vivenciado o processo de morrer de seu ente querido, com a finalidade de analisar e compreender como esses familiares enfrentam e lidam com as dificuldades advindas da doença do seu membro familiar, para que, assim, possam ser repensadas novas estratégias que busquem minimizar o sofrimento e auxiliar no enfrentamento das dificuldades.



Dicas para profissionais
  • Drives Virtuais de Enfermagem
  • Apostila de Provas de Concurso para Enfermagem (Enfermeiro)
  • Curso Atendimento Pré Hospitalar de Excelência

  • Comente:

    Nenhum comentário